03/01/2010

Presa no elevador na noite da virada


Estava pronta para ver os fogos na praia, corro e pego o elevador. Mas, havia gente demais. Aí começa aquela situação constrangedora de quem sai, você, ele, eu, nós... Saíram, mas poucos. Surge o papinho sobre a quantidade máxima no elevador, todos procuram a plaquinha afixada em algum lugar. Tempo para se entre olhar, repara nas roupas, penteados. Hum... rapaz gatinho ao lado, fortão, corrente no pescoço, gel no cabelo, muito cheiroso, interessante.

Eis que a luz em volta do botão do térreo apaga indicando que chegamos, porém, a porta não se abre. Risinhos, piadinhas, tudo alto astral, no início. Mas, a porta não abre mesmo! O calor começa a aumentar e falta ar. O pânico surge. Apertamos o alarme e este não modifica nossa situação. Tentamos subir novamente para o último andar e descer. Nada. Eu comecei a suar e minhas mãos tremerem. Era só um elevador lotado sem ar, mas eu sentia que ia morrer.

Nessa hora, o fortão, que já pedia a todo instante para ficarmos calmos, dizendo tudo estava sobre controle (controle de quem? de algum anjo travesso? controle do gancho que puxava aquela caixa metálica de gente? controle do quê, gênio! arrghhh), resolve verificar uma microfresta na porta. Ótimo, ele achava que ia nos salvar arrancando a porta de aço? Quem pensava que era, o super homem?! Faça-me o favor por que eu já estou tendo uma crise de nervos com vontade de chorar!

Então, para a surpresa desses olhinhos pintados com muita sombra-delineador-e-rímel ele consegue aumentar a frestra mais um pouco com a pontinha dos dedos. E depois mais e mais, até que a mão consegue se encaixar no vão. Os olhos se desconcentram para aquelas costas enormes e trabalhadas apertadas na camisa. Ops, a porta, atenção na porta, Li! Não é que ele consegue empurrar o suficiente para vermos a luz! E mais um pouco... pronto! Era agora questão de escalar o desnível para o chão e pular fora.

O salvador- super- homem- interessante estendeu a mão e me ajudou a sair. Eu fiquei olhando para ele sem palavras. Sim, ele abrira a porta e nos tirara daquela enrascada e de quebra me dera de novo a chance de ver os fogos e virar o ano bem. Sorri, puxei a camisa e o beijei na boca.

Afinal, é tão bom se apaixonar todo dia pelo mesmo homem!

Li Mendi.

p.s: A melhor notícia da virada: fui contratada e não sou mais estagiária!

4 comentários:

Lucy disse...

Ow, Lois Lane, que maravilha de virad, hein? Isso foi só pra te lembrar das coisas importantes na vida, amiga! E o que seria da vida sem aventuras!? rsrsrs... (eu teria desmaido, eu acho! tenho agonia de lugares de difícil movimentação!!!) Bju!

Aninha Barreto disse...

nossaaa!!! sem comentários!!! vc foi corajosa!!! eu teria dado um piti!! tenho horror a elevadores!

Gaby disse...

UUHUUUUU!!!!!! Noossa!! Parabéns!
1º pela coragem de entrar no elevador lotaaado! (tenho pavor de lugar cheio de gente, apertado...)
2º pela contratação - Ótima notícia!!

Anônimo disse...

já li "o amor está no quarto ao lado" (Amei!!! D+, TUDO DE BOM, RS)Kara, vc é um das minhas escritoras favoritas! continue assim,escrevendo muitooo. vc me ajudou muito, em uma fase ruim da minha vida, meu pais estavam se separando, ai eu , tipo, queria sumir, lendo os seus livros, eu consegui esquecer meus problemas.
vlw!