21/03/2009

Banho de cerveja e muito sal grosso.

Conversava ao celular, no meio de um churrasco rolando, quando sinto um líquido gelado escorrer pelo topo da minha cabeça, descer por dentro da minha blusa, molhar o bojo do meu sutiã, encharcar a minha calça. Foi tudo muito rápido, um chuveiro gélido. As pessoas pararam de falar. Eu terminei rapidamente o diálogo e desliguei. Levantei. Eu, a pessoa mais explosiva e seca, poderia dar um grito. Mas, como agora estou em terapia intensiva para ser a pessoa mais doce do mundo, olhei pra trás e vi a cara de desespero do garçom que segurava a bandeja com três tulipas vazias. Ele tinha derramado tudo em cima de mim. Meu cabelo escovado e brilhoso viraria uma esponja de aço e minha roupa estava ensopada. Olhei pra ele com piedade, pus a mão no seu braço e falei: “Está tudo bem”. Tentou intensificar as desculpas e repeti que não precisava se preocupar, bastava conseguir uma toalha.

Isso não passou de mais um desastre nessa semana horrível, em que eu tive sérios problemas pessoais, terríveis erros profissionais, fiquei trancada em casa (perdi minha chave) na hora de ir ao trabalho, peguei dois temporais daqueles sem guarda-chuva, namorado no plantão em pleno sábado... Enfim, uma semana pra se jogar sal grosso em cima.

Conto tudo isso porque sei que a energia negativa e a inveja simplesmente pairaram tenebrosamente em minha vida. Se você é muito boa em algo, se é muito feliz com alguém, se é muito bonita, rica ou famosa... Qualquer que seja as circunstância, esteja preparado para o olho gordo. Sim, ele tem poder! A inveja não é querer ter o que você tem, o nome disso é ambição. A inveja é querer que você não tenha.

Precisei de uma renovação espiritual muito forte, fiz um retiro, com direito a muito sono, silêncio e solidão em casa. Agora estou começando a melhorar. Não adianta achar que pode se afastar da negatividade da inveja. Ela está bem perto, até mesmo em colegas. É preciso ser o que se é, viver, se mostrar e agüentar o rojão. Claro que, eventualmente, é bom não contar tudo, há certas glórias que nem todos têm a honra de dividir contigo. A cada queda levanto, mais feliz e forte, porque a mulher que existe em mim é capaz de mais do que imaginam. Eu não cedo, não perco o orgulho, nem abaixo a cabeça. Sei que isso irrita, mas quem disse que preciso do amor de todos? Só dos que valem a pena.

Li Mendi quase Li Mendi novamente.

2 comentários:

Aninha Barreto disse...

oiee!!! texto forte eim!!! mas é isso ai... inveja existe e faz um mal danado!!!

Li disse...

sim faz