04/02/2009

Seja namorada, não seja mãe, muito menos avó.


Faça amor não faça guerra. E quando no amor tem guerra, é porque acaba? Depende dos motivos. Se for guerras internas, vale a pena todas as medidas de conciliação e paz. Mas, em ocasião de evasão de divisas, é hora de acordos forçados.

Cada um com seu limite: não mexa na minha gaveta, não entre no meu e-mail, não queira saber quanto eu ganho e faço com meu dinheiro. Enfim, há um território próprio em que cada um demarca sua individualidade. Nos dois conjuntos que se interceptam, sempre há a área fora da zona comum. O difícil é saber o que é meu e o que é seu, quando achamos que o amor une tudo.

O amor ajuda muito a conviver, mas achar que ele muda as pessoas totalmente, atrapalha de vez. Entra nessa hora a grande paciência para tentar fazer o outro enxergar que está errado, que precisa melhorar no controle dos horários, das finanças, dos estudos, da saúde... Por amar tanto, podemos querer rápido demais que o parceiro perceba que deve mudar. Só que essa tarefa deve ser lenta e gradual, o que quer dizer que não haverá pouco desgaste, mas muito!

Por que tanta gente prefere só ficar ou namora pessoas absurdamente impossíveis para dar logo errado? Porque promover a paz é exaustivo. Estabelecer o relaxamento das tensões, quando elas são extremamente necessárias para sacudir e fazer a pessoa acordar, requer um grau 8 de energia. É muito mais fácil pensar que tudo é culpa da falta de amor. Sendo que não podemos esquecer que não somos espelhos. Quem é dono do nosso coração veio para nossa vida com a própria história de criação, de educação, de hábitos de consumo e de controle de gastos, de visões sobre a profissão e sucesso.

Olhar o mundo sob nossas perspectivas faz todo o contrário parecer um erro. É preciso sabedoria e uma vitalidade que vem lá do âmago para não encher o saco e mandar tudo para p... Sim, tem horas que a vida perde totalmente a poesia.

Mas, ah, quem ama, é sempre otário. Não é assim que nos chamam? Otários confiantes de que vamos conseguir dar jeito naquela barriguinha, na faculdade dele que parece nunca sair, nos costumes mimados e egoístas... E a gente não desiste, é surpreendente. Totalmente compreensível porque Deus fez o amor, caso contrário, nos mataríamos.

Há muitos casais por aí que ainda dariam certo. Tinham o amor, não tinham a paciência. Alguns raros voltam e partem para a última tentativa, depositando todas as fichas. Não adianta, esse é um jogo eterno, é bom sempre guardar fichas para as próximas rodadas, pode ter certeza elas nunca acabam. Mudam de motivos, mas as guerras são tão constantes quanto os momentos de paz. O importante é a dimensão que elas tomam. Se as duas pessoas são maduras, vividas, racionais e inteligentes, logo percebem o caminho do meio, da concórdia. Porém, como decidimos tão cedo brincar de amor, lógico que a coisa toda vai desandar.

A idade mental das pessoas difere e muito do que está escrito nos documentos. Quando um consegue ver o que o outro só perceberá anos depois, há um desapontamento. É preciso sentar na calçada e ficar esperando. Por isso, nada de pena quando o outro tiver que passar dificuldades. Seja namorada, não seja mãe, muito menos avó. Ele precisará crescer e sozinho, caindo sobre as próprias pedras. Nenhum garoto deixa de ser mimado e playboy de um dia para noite, muito menos por amor, só a vida ao lhe tirar e lhe cobrar poderá moldar sua personalidade. Advirto, há os que nunca vão chegar a isso, justamente porque têm tudo. Se prepare para isso também. Os que nunca aprenderam a dividir, nem por amor o fazem de coração, no máximo por obrigação, sempre com rancor.

Mas, o amor é um jogo eterno de fichas apostadas. Seja perseverante. Ame tanto que possa sentar e dialogar incansavelmente. Voz serena, espírito elevado, mostre o que parece invisível. A recompensa pode ser você ver o outro evoluir. E é justamente para isso que nos unimos, para nos tornarmos melhores.


Um beijo e até o próximo devaneio, sempre correndo antes do trabalho... Li Mendi.

Fonte=Imagem

Um comentário:

Anônimo disse...

Li

td bom linda?

tava com saudades de ler seus textos... adoreiiiiiii

td d bom pra Li... Que seu ano seja abencoado

beijos, Ka