16/02/2009

Cobrinhas

A menininha subia a montanha para casa da vovozinha. Aí, encontrou uma cobra doente e resolveu ajudá-la. Um belo dia, a cobra, que considerava como amiga, a picou com seu veneno maligno. A garotinha ficou decepcionada: “Por que fez isso comigo se eu te ajudei?”. “Porque eu tenho natureza de cobra.”

Esse conto é tão bobo e idiota como útil. Na sua família, escola, trabalho e até igreja, não se iluda, é repleta de cobrinhas. Não dá para bancar a boazinha e se iludir. Antenas levantadas, saiba esperar o veneno de onde naturalmente brota. Isso diminui a sensação de decepção quando não recebemos aquilo que esperamos. Já se meteu a amiga de uma peçonha pensando que seu afeto a mudaria e, quando menos esperou, tsssiii, uma picada?

O que fazer quando a cobrinha está acima de você? Não fique contra, nem se alie a ela, aprenda a conviver. Essa tarefa é um treinamento árduo! Uma pessoa me ensinou um dia, enquanto eu chorava, esfregando o calcanhar picado: “Aprenda a ser política”. Eu queria um afago e não esse conselho duro. Posso fechar os olhos e ver sua expressão séria e durona. Agradeço e muito pelo toque.

Ser política é quase uma sessão de açoitamento para uma pessoa passional tentar controlar os instintos à flor da pele. Aquele babaca que fala o pior de você nas costas é o mesmo que vai te ajudar na hora do aperto. Sorria, fale o essencial. Aquela perua fútil e que só compra roupas nas lojas que você nem sabe pronunciar o nome pode ter muito que te ensinar, sorria e seja política. Aquela invejosa que te seca até o último fio de cabelo cauterizado pode ser futuramente da sua equipe. Resumindo, não pense que a cobra um dia não vai te picar, mas não se afaste de nenhuma delas. Aprenda a conviver para sobreviver. Com o tempo, você aprende a não absorver a energia negativa dos outros e a manter o bom humor apesar dos esporros e das discussões. Quando chegar nesse ponto vai agradecer pelo conselho sobre a politicagem.

A voz suave, aquele que não fala mal dos outros e que sabe trabalhar quieto no próprio lugar tem grandes chances de crescer degrau a degrau. Ser meteoro corre o risco de cair em um buraco no deserto...

Esse fim de semana ouvi a história (adoro ouvir histórias) de uma pessoa mega inteligente que perdeu a chance de chegar ao mais alto grau de poder.Ela tinha tudo para alcançar o topo. Mas, se expunha demais socialmente. Então, na hora de elegê-la, não foi escolhida. E as pessoas ao selecionar companheiros de trabalho, procuram dentro dos competentes os melhores de se conviver. Nesse momento, devemos colocar o dedo no queixo e olhar para o alto: "eu sou uma delas?" Que adianta tantas graduações se você é odiado pelas costas? Acho que tenho muito a melhorar. Tenho um instinto muito forte, um gênio brigão e orgulhoso. Não consigo implorar, nem fazer ceninhas ou ser melosa. Quem olha me acha turrona. Estou aprendendo a ser mais doce. Mas, já falei disso no texto anterior, vou parar porque já está redundante. rs.


Li Mendi.

Um comentário:

Taíza disse...

Oi Li!
Mais uma lição de vida!!!
Concordo em gênero, número e grau com você, precisamos aprender a conviver com as "cobrinhas".
Sabe, só convivendo com a decepção que aprendemos que ela realmente não mata, ela ensina a viver!
Pois, afinal, quem nunca sofreu uma decepção na vida?
Muito obrigada pelo conselho,
Parabéns pela matéria, amo cada vez mais visitar o blog!!!
Beijos, sucesso sempre!
;*