19/03/2008

Quantos Marcelos há em sua vida

Eu até que comecei gostando do Marcelo do BBB. Adorei aquele bate boca com o fortão da casa. Mas, chegou um momento que sua paranóia inquisitória me levou ao asco. Mesmo já não gostando, tinha que admitir, ele mandava algumas verdades na lata. O seu erro foi justamente a estratégia de Gisele: não soube dosar o quanto podia falar. Gi não falava nada e Marcelo cuidava de picaretar a consciência dos outros.

No programa da Ana Maria Braga, ele tirou a simpática loirinha do sério: “Você me chamou aqui só para falar de briga?”. Ana não gostou do que ouviu, pois já está acostumada com os anônimos deslumbrados e as celebridades necessitadas de mídias que vão ao seu programa e invariavelmente acham lindo tudo que pergunta. Criou-se o mito de Ana Maria Braga, mas Marcelo não está nem aí para mitos. O bate boca no nível intelectual trouxe um verdadeiro mal estar. Outra vez gostei e tive pena de Marcelo.

Achei-o corajoso por deixar claro que era mais do que um estereotipo de brigão, que tinha muito conteúdo na cabeça para falar e não estava com saco para ficar reproduzindo picuinhas patéticas da casa. Mas tive dó também, porque Marcelo não entendeu que era apenas uma minúscula peça na grande engrenagem midiática que mova 360 milhões de reais por edição do programa. Ele foi exposto para ser falado a partir de um lado mais relevante seu e nada mais.

Marcelo não tem corpo para revistas sensuais e perdeu uma boa oportunidade de ficar calado e ser garoto propaganda de diversas marcas depois. Pela via da personalidade, poderia ganhar um bom dinheiro, sem precisar abaixar a calcinha e abrir as pernas, como as garotas BBB. Veja o conflito de Juliana, chamada para pousar nua. Uma jornalista que vai ser levada para o banheiro em forma de revista pode ser figura crível para um jornal? Não mesmo. Como apresentadora de entretenimento sim, vide Íris.

Há Marcelos em nossas vidas com diferentes níveis. Os moderados, que nos apontam algumas verdades que não queremos ouvir e os paranóicos, que esquecem de olhar para si primeiro.

BBB é um lixo, dizem alguns. Gostei da teoria do meu professor de Redação Publicitária: “Você não precisa gostar dos programas populares, mas dê uma olhada em todos, porque a grande maioria da população assiste e você vai lidar com ela diariamente. Saiba falar a sua língua, descobrir o que pensa, não deixe passar nada. O profissional atual que se educa academicamente para trabalhar para o seleto grupo de onde veio tem grandes chances de se ilhar e viver a base de água de coco, literalmente vendendo coco na praia”.

Abraço de trincar costelas!

Li Mendi

3 comentários:

Aninha Barreto disse...

Pow Li... eu adoro esses textos super verdades que vc escreve sabia!!!!!!! texto 10!!!!!!!!!! parabéns!!!! mas se eu estivesse com esse marcelo no BBB ia surtar!!! pelo amor de Deus!! realiza um cara querendo dissecar a sua mente 24 hs ??????

luana disse...

complicado mesmo né?!?
Já imaginou ele tentando dissecar a mente de uma namorada de militar..acho que ele é que ia surtar hahahhahahhaha é muita neura!!!!!
Amei o texto também.
XÊros

aninha disse...

realmente Luana... muita neura mesmo... só quem namora ou namorou um militar pra saber o que se passa na mente dessa mulher guerreira...