25/03/2008

(Entre parênteses)

Há pessoas que se alimentam [e são felizes?] com o próprio sofrimento. Não estou louca, pois creia. Um amigo que retornou recentemente do exterior, sentou ao meu lado na sala de aula. Eu arregalei os olhos. O que fazia ali? Não tinha já se formado? Ele, porém, deixou-me com explicações vagas de que faltavam algumas matérias e adentrou em um assunto que sempre nos unia quando fora embora: amor. (Ele o dele e eu o meu. Explicadinho? Continuando).

_Deixa eu ver suas mãos? _ pediu-me.

_Não... _ ri, tímida e escondi as minhas.

_Anda!

_Para quê? Vai fazer alguma brincadeira? Vai me zoar, né?

_Não! Prometo!

Olhei de lado desconfiada e estiquei as mãos no ar. Ele franziu a testa:

_Cadê a aliança?

_Aaaah! Era isso? _ ri, me sentindo idiota. _ Bobo! Não casei ainda não! Só namorando...

_E você? Ainda namorando à distância?

_Ela foi comigo para o exterior... moramos juntos, não durou 3 semanas! Ela terminou.

(parênteses: pela décima vez! Hunf...)

_A fila anda, vai beijar na boca!

Rimos juntos.

Comecei por esse diálogo matinal, porque me fez lembrar de um ótimo papo que tive com meu professor, que também é analista, há exatos 2 anos e meio.

_ Há pacientes que dizem: “Ele me faz sofrer. Eu marco encontros e me dá bolo; eu faço um ótimo jantar e nem elogia; eu me esforço muito para agradá-lo, mas recebo tantas grosserias...” Essas pessoas gostam literalmente de serem tratadas assim. Se alimentam da própria pena que têm de si. Não vão se arriscar a gostar de alguém legal. É doentio mesmo. Só vai mudar se a mulher largar esse homem. É preciso dar um basta! Um stop! Dizer para si: “Eu não quero sofrer por esse cara que eu amo tanto, por quem eu me humilho, mas que não me corresponde”.

A conversa proveitosa daquele dia me ajudou a tomar uma atitude que me fez deixar de ter um relacionamento “doente”. O professor nunca vai saber que me deu uma mãozinha a terminar um namoro. Rs. Hoje, sou completamente amada, paparicada, elogiada, exaltada. Posso agora enxergar claramente quando outros passam por essa experiência.

Conheci histórias de casais que namoraram à distância por conta da carreira militar dele, mas no fim dos estudos do milico, quando ficaram juntos, terminaram.

Nem todo mundo nasceu para ser feliz. O sofrimento parece para alguns ter mais sentido. Ele traz a deliciosa sensação do intervalo de alegria intenso. A vida é feita de parênteses de felicidade. Do lado de fora, as dores que valem pela lacuna feliz. Ver a cara do outro todo dia desilusiona. Estar muito perto de duas, uma: ou se ama mais ou se descobre que nunca se amou verdadeiramente. E o medo de saber a resposta? Adia-se o contato e se é feliz por esse tempo de bonança não chegar. Vive-se do desejo de “dar certo no futuro”.

Erroneamente a gente nutre a idéia de que a distância nos coloca o amor a prova. Nem sempre, pois é típico do ser humano a ânsia por ter uma causa a que padecer e, por ela, dedicar sua existência, para com isso dar um significado ao enfadonho livro da vida. Quer algo mais emocionante que um amor platônico totalmente impossível?!

A libertação não é sem dor, mas ela abre finalmente as portas para que chegue a um amor verdadeiro, puro, feliz. Um amor alegre, que vive dos risos! Hoje, sou completamente preenchida de um sentimento de júbilo. É por já ter passado por essa fase “doente” que tenho mais consciência do valor e da preciosidade do que é esse elo de felicidade contínua, sem ter que engolir nada!

Há pessoas que não sabem serem felizes e aprendem. Eu fui uma delas e, por isso, quando olho para quem me mostrou isso, dou gargalhadas só interrompidas por intermináveis beijos doces.

Para ser feliz, podemos até sofrer, mas que este sentimento esteja entre parênteses e não o oposto!

Li Mendi

2 comentários:

Laila disse...

Por mais parênteses que se ponha, o melhor é sempre deixar reticências
xD

lindo lindo

luana disse...

é verdade Laila...
Eu tb vivi um amor "doente" antes de conhecer meu noivo e confesso que no começo relutei em aceitar estar gostando de uma outra pessoa por medo de passar tudo que tinha passado,mas graças a Deus ele sempre se mostrou diferente e me conquistou com isso...
E com ele vivo aprendendo, aprendi que não se é feliz ,mas se está feliz...feliz com uma ligação, feliz com um sorriso, feliz com uma reconciliação, feliz por conseguir vê-lo nem que seja por 10min rsrsrs...no momento eu me sinto feliz!!!
Beijocas e um bom dia para todos!!!