17/10/2007

Nesse jogo nem todos estão a favor, mesmo assim vale a pena lutar

É como em uma guerra. Você não está sozinho na luta. Ao seu lado estão os que têm o mesmo objetivo de vitória. Mas, quando eles começam a cair, você fica muito perto da possibilidade de perder também. Dói vê-los sucumbir e em nada poder ajudar. É preciso continuar, tirar forças não se sabe de onde.

Alguns que caem e abandonam a batalha vão para as linhas neutras e se colocam contra, viram de lado no jogo. Esperam ansiosos, com pingos de suor na testa que você também erre. Essas serão suas únicas e tristes preces, um desejo vil de que lhe mostre a desvantagem de ganhar. Se a força do pensamento negativo é pouco, os abutres se põem a vociferar.

É possível ouvir, além dos gritos da torcida a favor, as vozes dos que agoram:

_ Namorar um civil é mil vezes melhor;

_Desista! Desista! Você vai ser infeliz!

_Para que sacrifícios?! Não vai levar a nada!

_Pára agora enquanto há tempo!

_Você está jogando os seus anos fora!

_Vai sofrer, vai cair, vai se ferrar!

_Saí, abandona, fuja, corra!

_Eu terminei e hoje sou mais feliz. Você é uma idiota!

_Eu estou em outra e estou zoando muito, curtindo muito, você é uma babaca, uma burra!

É preciso ter equilíbrio. É necessário acreditar em Deus, força, energia, arquiteto do universo, Buda, o seja lá o que for. De algum lugar você deve tirar o poder para não vacilar.

Mas a guerra é feita de tempos de trégua. E esses dias são de vento fresco, noite de estrelas. Posso ouvir o barulho dos risos e os passos trocados. Sinto a mão na cintura e o beijo no pescoço, os olhos brilhantes que se encontram.

O abraço quente, aconchegante e apertado, o afago do arregaço acolhedor. A cabeça que se encaixa entre o ombro e o pescoço. A voz doce e grave no ouvido: “Eu te amo”. O sorriso, os lábios úmidos, um beijo longo e gostoso.

Não se pode dizer que o jogo é feito só felicidade. Há muitas batalhas travadas sozinha, quando mais nos sentimos fracas, porém, levantamos e gritamos, com os punhos fechados socando o ar: “ÉÉÉÉÉÉÉ”. Porque cada pequena vitória a dois significa muito. Para nós, que saboreamos a conquista e também para aqueles que se entristecem por verem que não adianta rogar praga, é possível sim fazer valer, fazer uma história de amor militar dar certo.

Nunca se pode saber até quando. Isso não importa. Fecha os olhos, sente o coração batendo no peito dele e sua respiração quente na bochecha, as mãos pesadas brincando com o fio do cabelo. Aspire seu perfume e fique quieta no abraço. Ali se renovam todas as forças!

Quando penso que (*emoção*... *suspiro*) chega na última gota, as comportas se abrem e o rio do amor se renova.

Li Mendi

Nenhum comentário: