13/09/2007

O perdoável

O mais difícil exercício no amor é perdoar. Ele se parece com aquelas séries de musculação da academia que no dia seguinte nos deixam cheia de dor à primeira vez. Não é fácil desculpar os erros de quem tropeça conosco.

Mas e perdoar um defeito permanente? Como é complicado, quando o seu príncipe encantado não é perfeito como queria e deixa brechas onde você gostaria de ser preenchido. Dá vontade de jogar tudo para o alto, ou de procurar outro.

Só que pára tudo! E qual a linha tênue que separa o que realmente é defeito dele ou dificuldades que a vida militar impõe? Ele não fez por que não quis ou por que não pode? Claro que isso pouco importa para o coração que sente, porque dói do mesmo jeito.

Se não soubermos distinguir, poderemos cair em duas possibilidades, seguir com um romance sem futuro ou sermos injustas com alguém que não teve saída.

O diálogo. Algumas pessoas chamariam de solução, eu prefiro ver como (uma) saída, já que as palavras não mudam atitudes, o que muda a atitude é a vontade das pessoas.

Qual o limite do tolerável? Aquilo que se pode passar de olhos fechados? Se usarmos o parâmetro da dor, podemos nos enganar, já que com o tempo a permanência do erro naturaliza o próprio erro e nem sentimos dor de tão anestesiadas.

Terminar para provocar a dor do rompimento não altera para sempre o jeito das pessoas, elas demoram, mas voltam a cair no mesmo erro. Por isso, talvez, o melhor é procurar outro. Mas se descobrirmos que o outro tem mais defeitos imperdoáveis ainda?

A vida é esse ciclo de dúvidas, caraminholas e um pouco de frustrações. Nunca completamente felizes, plenamente completas. Andamos no labirinto para nos descobrir, afinal, somos nós o maior oceano de mistérios sem fim.



Dicas:

**O livro de entrevistas está recheado de experiências legais.Confira>>

**O seriado virtual "O amor está no quarto ao lado" está recheado de aventuras e emoções. Acompanhe e se divirta!




5 comentários:

Anônimo disse...

Perdoar...como é difícil fazer isso.
Principalmente quando o principal motivo da discórdia é sua sogra, que sempre é preservada de tudo, a que se tem que tolorar; além de vc ser sempre a culpada.

Li disse...

complicado isso hen, anônima...
puxa, vou rezar para você ter mais paz aí no seu namoro e na família do seu amor tb.
beijos da Li

fernandinha disse...

eu concordo com a anonima ai... naõ é fácil segurar a onda quando a sogra ta se metendo no meio!!!!!

Paula disse...

Olha, se não fosse a sogra, seria outro problema. No meu caso a minha sogra é maravilhosa, uma verdadeira mãe e amiga. No entanto, tem outro problema que faz eu me descabelar e desabar em choro de vez em quando.
=)

O negócio é tentar contornar a situação... e ir vivendo.

Sexta...( ele tá qse chegando...)

Lucy disse...

Não sei porque eu vejo como uma coisa simples. Para mim é escolha. Escolher ficar com ele ou não. Se ele tem defeitos, todos têm (disse bem, Li). Se ele erra no A e acerta no B. Alguém que vc ache vai acertar no A e no B... vai errar em C e D ou em mais letras... enfim, ninguém é perfeito.

Não adianta mesmo abandonar o navio que pode afundar se todos os navios são passíveis de naufrágio. O que muda é o comandante. Se ele souber o que faz e quiser que o barco chegue na margem, então é melhor estar com ele, no barco dele.

Eu não deixo que as frustrações maximizem-se porque das vezes que eu deixei, entrei em crise e isso não foi bom. Hoje, para mim, tudo é 'tirado de letra'. Não sofro como o peru que morre na véspera. (rsss) E quando tenho de sofrer, antes analiso se vale a pena sofrer por isso ou não. Se valem minhas lágrimas. Se... se... daí, eu analiso tanto que acaba tudo ficando mto racional e meu emocional não atrapalha na hora de resolver o problema dentro de mim que, para mim, deve ser o ponto inicial para resolver qualquer crise - começando dentro de mim - seguindo o ditado que diz "a boca fala daquilo que o coração está cheio. Se eu consigo resolver dentor de mim, fica fácil resolver do lado de fora. ;)

Não subestimo o sofrimento de ninguém, claro. Mas eu sei que tem uma saída. Pode não ser fácil (e geralmente dói bastante), mas tem um caminho sim. É só decidir seguir por ele.

Hmm... leiam o livro "Não faça tempestade em copo d'água" e todas as variáveis dele... tem assim:

"Não faça tempestade em copo d'água - e tudo na vida são copos d'água"

"Não faça tempestade em copo d'água - nos relacionamentos"

"Não faça tempestade em copo d'água - no trabalho"

Eu achei muito divertido e fácil a leitura! Eu recomendo com mil estrelas!!! \o/ Bju, meninas!!!